Macro-Projeto de Saúde

1 – Introdução.

2 – Diretrizes Políticas:

2.1 – Direito à Saúde.

2.2 – Respeito à Cidadania Universal.

2.3 – Condições Necessárias:

2.3.1 – Nutrição.

2.3.2 – Trabalho e Salário Dignos.

2.3.3 – Condições Dignas de Habitação.

2.3.4 – Educação Sanitária.

2.3.5 – Saneamento Ambiental.

2.3.6 – Reforma Agrária (Fixação do Camponês à Terra).

2.3.7 – Meios de Transportes Adequados.

2.3.8 – Segurança.

2.3.9 – Lazer.

2.4 – Modelo Arcaico de Atenção à Saúde.

2.5 – Novo Modelo de Atenção à Saúde:

a – Meio Físico.

b – Meio Sócio-Econômico e Cultural.

c – A Garantia de Acesso.

2.5.1 – Universalização.

2.5.2 – Eqüidade.

2.5.3 – Integralidade.

2.5.4 – Hierarquização e Regionalização.

2.5.5 – Descentralização e Comando Único.

2.5.6 – Participação Popular.

2.5.7 – Atenção Primária à Saúde.

2.5.8 – Programa de Saúde da Família.

2.5.9 – Desenvolvimento de Recursos Humanos.

2.5.10 – Organização e Administração do Sistema.

2.5.11 – Controle Social.

3 – Situação Atual do Brasil:

3.1 – Considerações Gerais:

3.1.1 – Aspectos Históricos.

3.1.2 – Aspectos Geográficos.

3.1.3 – Aspectos Econômicos e Financeiros.

3.1.4 – Aspectos Educacionais.

3.2 – Condições Sanitárias.

3.3 – Serviços de Saúde:

3.3.1 – Recursos Humanos.

3.3.2 – Resolutividade.

3.3.3 – Acesso e Eqüidade.

3.3.4 – Oferta e Organização dos Serviços.

3.3.5 – Assistência Farmacêutica.

3.3.6 – Vigilância Sanitária.

3.3.7 – Controle Social.

1 – Introdução.

2 – Novo Modelo de Atenção à Saúde:

2.1 – Implantação dos Princípios do SUS.

2.2 – Reestruturação das Políticas Setoriais:

2.2.1 – Conferências Locais, Distritais, Municipais, Estaduais e Nacional de Saúde.

2.2.2 – Desenvolvimento de Recursos Humanos:

2.2.2.1 – Criação e Estruturação de um Núcleo de Ensino.

2.2.2.2 – Resgatar o Plano de Cargos e Salários.

2.2.2.3 – Incentivar o Trabalho em Tempo Integral e Tempo Integral com Dedicação Exclusiva.

2.2.2.4 – Universalizar o Direito de Acesso ao Serviço Público Através e Unicamente por Concurso Público.

2.2.2.5 – Estabelecer a Possibilidade de Ascensão Funcional.

2.2.3 – Reestruturação das Unidades e Serviços de Saúde:

2.2.3.1 – Reestruturação dos Postos de Saúde.

2.2.3.2 – Construção de Novos Postos de Saúde.

2.2.3.3 – Construção de Centros Distritais de Saúde.

2.2.3.4 – Reestruturação dos Centros Regionais de Saúde.

2.2.3.5 – Reestruturação do Hospital.

2.2.3.6 – Melhoria do Atendimento de Urgência e Emergência.

2.2.3.7 – Reestruturação e Construção do Laboratório Central.

2.2.3.8 – Política de Medicamentos.

2.2.3.9 – Controle das Doenças Endêmicas.

2.2.3.10 – Educação Sanitária.

2.2.3.11 – Programa de Saúde da Família.

2.2.3.12 – Agentes Comunitários de Saúde.

2.2.3.13 – Agentes de Endemias.

2.2.4 – Supervisão Sistemática.

2.2.5 – Comunicação Social.

2.2.5.1 – Definir uma política de comunicação social na área de saúde.

2.2.5.2 – Divulgar as atividades exercidas pelo Ministério da Saúde.

2.3.5.3 – Conseguir a mobilização e participação das comunidades nas ações de saúde.

2.2.5.4 – Confeccionar e ao mesmo tempo distribuir publicações de materiais relacionados com a promoção da saúde.

2.2.5.5 – Desenvolver novas ações de informação e orientação, com base nos programas de Educação e Informação para a Saúde e divulgação científica, utilizando técnica e meios adequados.

2.2.5.6 – Produzir e distribuir materiais informativos para os meios massivos e dirigidos.

2.2.6 – Cooperação Técnica.

2.3 – Ações Básicas de Saúde:

2.3.1 – Introdução.

2.3.2 – Tipos de Ações:

2.3.2.1 – Ações de Promoção:

2.3.2.2 – Ações de Prevenção:

2.3.2.3 – Ações de Cura e Reabilitação:

2.4 – Atividades Especificas Para Grupos de Controle:

2.4.1 – Gestantes: 2.4.2 – Crianças e Adolescentes:

2.4.3 – Adultos e Idosos:

2.4.4 – Trabalhadores:

2.5 – Implantação da Nova Política de Saúde.

2.6 – Controle Social. “O conhecimento é um facho de luz que Deus empresta aos iluminados para clarear o caminho daqueles que se encontram nas trevas”.

Prof. Dr. Mário Jorge Martins.