Resistência aos Inseticidas

1 – Introdução – os inseticidas organoclorados, organofosforados, carbamatos e piretroides vêm sendo largamente utilizados em diversas regiões do planeta para o controle de vetores. O DDT (dicloro–difenil–tri–cloro–etano), embora sua utilização tenha sido proibida pela OMS, devido ao fenômeno de magnificação biológica que pode ocasionar nas cadeias alimentares dos ecossistemas e aos malefícios que podem […]

Relação Parasito-Hospedeiro

1 – Fundamentos de Parasitologia: 1.1 – Definição – é o ramo da biologia que estuda os parasitos. A parasitologia, lato sensu, engloba também estudo dos vírus (virologia), das bactérias (bacteriologia) e dos fungos (micologia). No stricto sensu que adquiriu há muito tempo tem como objetivo o estudo dos protozoários e dos animais parasitos (helmintos[…..]

O Controle dos Mosquitos

1 – Generalidades – os mosquitos culicídeos são insetos hematófagos, isto é, picadores e sugadores de sangue, especialmente as fêmeas que necessitam desse alimento vital para completar o desenvolvimento ou amadurecimento de seus ovos, necessários para perpetuar a espécie. Além da picada dolorosa e do zunido desagradável que perturba nossos ouvidos, esses insetos podem transmitir[…..]

Mecanismo de Resistência do Hospedeiro

1 – Introdução – uma distinção relativamente precisa pode ser feita entre o que se denomina defesa imune inata e defesa imune adaptativa. Quando um agente infecta o organismo, o sistema de defesa local pode ser suficiente para impedir a replicação e a disseminação do agente infeccioso, impedido, portanto, o desenvolvimento da doença. Este mecanismo[…..]

Fundamentos de Epidemiologia

1 – Definição – do grego epi = sobre, demos = população. Do ponto de vista etimológico seria o estudo das epidemias. É estudo da frequência, distribuição espacial e cronológica de qualquer processo mórbido ou estado fisiológico dos indivíduos de uma comunidade e a relação dos fatores que intervêm na causalidade desses estados; incluindo as[…..]

Esgotamento Sanitário

1 – Introdução – as fezes, a urina, o suor e outros excrementos constituem os dejetos eliminados pelo corpo humano como produto do seu metabolismo, contendo resíduos, substâncias tóxicas e, muitas vezes, organismos patogênicos. A eliminação desses agentes patógenos ocorre no caso de pessoas doentes ou portadores sadios, permitindo a transmissão e propagação  desses elementos[…..]

Epidemiologia do Diabetes

1 – Aspectos Históricos – o Diabetes Mellitus (DM) já era conhecida antes da era cristã, pois no papiro de Ebers (documento escrito entre o século XVI a XV a. C.), descoberto no Egito, já se descreviam sintomas que parecem corresponder ao diabetes. Entretanto, foi no século III da era cristã, que Araeteus, da Capadócia,[…..]

Epidemiologia das Hepatites

1 – Introdução – a disseminação da hepatite A está relacionada com o nível socioeconômico da população, grau de saneamento básico, de educação sanitária e condições de higiene e da população. A doença é autolimitada e de caráter benigno, no entanto, cerca de 0,1% dos casos de hepatite A pode evoluir para hepatite fulminante, percentual[…..]

Epidemiologia das Febres Hemorrágicas

EPIDEMIOLOGIA DAS FEBRES HEMORRÁGICAS: 1 – Introdução – a expressão febres hemorrágicas engloba doenças causadas por microorganismos de etiologias diversas, entre os quais, os vírus transmitidos por artrópodes hematófagos ou roedores cronicamente infectados. Por possuir uma distribuição cosmopolita, sem dúvida, os arbovírus constituem uma causa importante de febre em áreas endêmicas do mundo, entretanto, a[…..]

Epidemiologia das Doenças Não-Transmissíveis

1 – Generalidades – as doenças não infecciosas constituem extensa área de aplicação da epidemiologia e este documento contém, nas seções iniciais, considerações gerais sobre o assunto, inclusive sobre medidas preventivas. Sequenciando, o problema será quantificado, na coletividade, é abordado, assim como os principais métodos da investigação, divididos em diversos tipos de estudos de observação[…..]